CNV nas organizações apoiando a diversidade

CNV nas organizações apoiando a diversidade

As empresas reconhecem o desafio atual de lidar e respeitar perfis diferentes de pessoas. A inclusão da diversidade (seja racial, de gênero, religiões…) é urgente, sendo que já há a convivência de quatro gerações no mesmo ambiente. Seus gestores sabem o quanto ganham com essa pluralidade, financeiramente e com um ambiente mais humano, o que engaja e amplia a criatividade. Nesse cenário, o RH é estimulado para a contratação de uma diversidade de perfis humanos com seus caleidoscópios próprios pelos quais olham o mundo.

Com diferentes pensares e atitudes, conflitos são inevitáveis. Mas não aquele rotulado popularmente (e erroneamente, reforço aqui) como negativo. Ter posições diferentes no mesmo ambiente é salutar: pode não haver certo ou errado, pode haver um consenso ou concessão, pode haver a construção de uma terceira opinião, e outra e até melhor.

A questão não é o conflito em si, mas a violência com a qual reagimos ao dito “diferente”. Como violência entendemos a física (o dedo em riste ou o dar de ombros), a expressa na voz (aquela frase do líder dita em volume forte para todos ouvirem sua insatisfação), ou a violência verbal das palavras escolhidas.

Lógico que esses são comportamentos evidentemente violentos nos conflitos. Mas a Comunicação Não Violenta (CNV), que para mim é uma filosofia muito ampla de conexão humana e de possibilidade de diálogos profundos, nos mostra que a violência pode estar muito antes daquilo que expressamos. Ao lidar com a diversidade nas organizações e sua expressão de opiniões, surgem comportamentos automáticos e primitivos: rótulos, julgamentos, respostas impulsivas, foco na argumentação, afinal queremos ter razão. Caetano Veloso em Sampa diz que “Narciso acha feio o que não é espelho”. Então, escutamos a opinião alheia já contrapondo internamente, julgando o que não nos é palatável. Nesse ambiente de intolerância, não há comunicação.

A CNV aplicada aos ambientes corporativos fortalece as relações e propicia a prática de diálogos profundos na medida em que oferece a oportunidade de uma escuta empática. Aprendemos, por exemplo, a não responder reativamente, mas sim procurar compreender quais são as nossas necessidades, a nomear sentimentos que geraram comportamentos, ao mesmo tempo que procuramos compreender necessidades e sentimentos dos outros.

Harmonia no convívio com a pluralidade só se faz com confiança, e essa necessita de ambiente de comunicação aberto, empático e de conexão. A CNV é um caminho possível e de apoio para as organizações.

E você, tem plena consciência do uso expressivo da sua comunicação? Com a ajuda especializada e um treino constante podemos aprimorar nossa capacidade de se expressar e melhorar nosso potencial de Comunicador Consciente.

Ana Elisa Moreira-Ferreira
Fga.Ma. Coach e Consultora em Comunicação Humana
Univoz Consultoria e Desenvolvimento de Pessoas.

Artigo publicado no jornal Estadão em 17.03.19, na página Gestão de Pessoas da ABRH SP.

 

Quer conhecer mais sobre os temas abordados neste artigo? Faça aqui sua inscrição!